DENÚNCIA: Hildo Rocha, vice líder do MDB, quer esclarecimentos de Mandetta sobre possível desvio de verba de R$ 43 milhões em Imperatriz

(Brasília-DF, 15/04/2.020) O deputado Hildo Rocha (MDB-MA) pediu nessa última terça-feira, 14, esclarecimentos do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sobre um possível desvio de verba no valor de R$ 43 milhões do Fundo Nacional de Saúde (FNS) que teriam que ser repassados para o município de Imperatriz, no Sul do Maranhão.

Repercutindo a denúncia feita pelo presidente da Câmara Municipal daquela cidade, o vereador José Carlos Soares Barros (PV), o emedebista maranhense requereu, ainda, ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), a constituição imediata de uma iniciativa de Fiscalização e Controle da Casa que possa averiguar a denúncia.

A acusação de Soares Barros, conforme explica Hildo Rocha, decorre do fato de que o recurso foi liberado dias após o prefeito daquela localidade, Assis Ramos, se reunir com o ministro Mandetta quando na sequência se desfiliou do MDB e ingressou no Democratas, partido do titular da pasta.

“A acusação, a meu ver, tem muito sentido, porque após, uma reunião do ministro Mandetta com o prefeito de Imperatriz, Assis Ramos, ele se decidiu imediatamente por ingressar no mesmo partido político do ministro. O mais grave é que após a filiação o município de Imperatriz recebeu R$ 43 milhões de reais em menos de uma semana, oriundos do Fundo Nacional de Saúde. Recursos esses de responsabilidade exclusiva do ministro da saúde, Henrique Mandetta”, afirmou em pronunciamento o deputado Hildo Rocha.

“O presidente da Câmara, vereador José Carlos, acusa categoricamente o prefeito de ter dado sumiço aos R$ 43 milhões de reais enviados pelo governo federal. O vereador José Carlos alerta que não foram feitos investimentos em favor da saúde de Imperatriz com esses recursos. Ele conclui as suas denúncias afirmando que notas fiscais foram usadas para legalizar o saque dos recursos públicos federais destinados a saúde pública de Imperatriz”, complementou o parlamentar maranhense.

Apuração

De acordo com Hildo Rocha que ao lado do deputado Pastor Gildenemyr (PL-MA), em que são os únicos da bancada federal maranhense que fazem oposição sistemática ao governo Flávio Dino, a denúncia levantada pelo vereador do PV de Imperatriz precisa ser investigada pela Câmara federal. No Maranhão, o PV é comandado pelo ex-deputado e ex-ministro Sarney Filho, irmão da ex-governadora Roseana Sarney (DEM) de quem Hildo Rocha é aliado.

“Falei perante o presidente Rodrigo Maia sobre as acusações de corrupção com dinheiro do Ministério da Saúde, em Imperatriz, por entender que são muito graves. [Essa é] uma das prerrogativas e também obrigações dos parlamentares [que] é justamente fiscalizar os recursos públicos e nós estamos impedidos, nesse momento, de fazer isso porque as comissões permanentes, como a de Fiscalização e Controle, ainda não foram instaladas. Então, quero pedir a V. Exa. que instale logo essas comissões permanentes. Hoje, já dispomos de meios para fazê-las funcionar, tendo em vista os recursos tecnológicos que a Câmara dos Deputados já adquiriu”, completou.

Quem é Hildo Rocha

O emedebista é aliado, ainda, do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), líder dos senadores tucanos, e próximo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (Sem Partido) que vem desde o início da crise provocada pelo novo coronavírus (Covid-19) defendendo teses contrárias das que são aplicadas pelo ministro Mandetta que vem cumprindo às orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para implementar no país medidas de restrição na circulação de pessoas afim de evitar que a propagação da doença possa colapsar os sistemas de saúde e funerário de estados e municípios do país.

Hildo Rocha é também colega de mesmo partido do deputado e médico Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania do governo Bolsonaro, e que na última semana foi flagrado em conversa com o atual ministro desta pasta, o deputado licenciado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), em que ambos falavam da necessidade de se tirar o ministro Mandetta do Ministério da Saúde.

Na conversa privada e tornada púbica, Terra e Onyx defendiam ainda a tese do presidente brasileiro de acabar com o isolamento social aplicado por Mandetta e instituir medidas restritivas na circulação de pessoas que apenas compõem os grupos de riscos como idosos e portadores de doenças já estabelecidas (cardiopatas e diabéticos).

Sem retorno

Procurado pela reportagem da Política Real, a assessoria de imprensa do ministro Mandetta ficou de avaliar o conteúdo das acusações que são feitas pelo vereador do município de Imperatriz, mas até o fechamento desta edição não retornou o contato.

Já o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, não se manifestou sobre a denúncia levantada pelo emedebista Hildo Rocha e tampouco comentou se instalará a Comissão de Fiscalização e Controle (CFC) da Casa para que a acusação seja apurada.

 

(por Humberto Azevedo, especial para Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *