Bolsonaro não quis responder pergunta de jornalista e disse para Deus lavar a cabeça da Imprensa; nas redes sociais falou de emprego formal e de operação da PF, mas na Paraíba

(Brasília-DF, 08/10/2019) O presidente Jair Bolsonaro ao sair do Palácio do Alvorada e encontrar apoiadores, inclusive com direita a receber benção de um pastor que estava presente preferiu  ignorar a pergunta de jornalista sobre tortura em presídios no Pará e orou para que Deus “lave a cabeça dessa imprensa fétida” .  Nas redes sociais, ele falou sobre alguma melhora no emprego e depois comentou sobre operação da PF na Paraíba.

“Maioria das capitais vive retomada do emprego formal. 14 tiveram saldo positivo com carteira assinada nos 8 primeiros meses do ano. São Paulo lidera o ranking, com 58.889 novos postos de trabalho. A herança monstruosa deixada pelo PT tem que ser revertida!  @AgoraNoticiasBr”, disse no Twitter no final da manhã.

Ele falou de crescimento de empregos formais:

“Crescimento nos empregos formais: seguido de Belo Horizonte, Curitiba, Brasília, Manaus, São Luís, Goiânia, Campo Grande e Vitória, Campo Grande, Cuiabá e Palmas. Temos tudo para tirar o Brasil da lama que nos meteram! Precisamos da força da população para continuarmos evoluindo!”, disse.

PARAÍBA

O Presidente Bolsonaro retuitou postagem da comunicação do Twitter da Polícia Federal sobre operação na Paraíba.

“ A PF deflagrou, na manhã de hoje 08/10, em conjunto com o  @MPF_PGR , o GAECO/MP/PB e a  @CGUonline , a 5ª fase da #OpXequeMate, com objetivo de investigar suspeitos de fraudes ligadas à aquisição de medicamentos pela prefeitura de Cabedelo/PB.”, diz a postagem.

A quinta fase da Operação Xeque-Mate, com objetivo de dar cumprimento a medidas de busca e apreensão, foi  determinadas pela 16ª Vara da Justiça Federal da Seção Judiciária da Paraíba.

O cumprimento das medidas, na data de hoje, tem por objetivo angariar elementos de prova relacionados à possível prática de crimes e desvios de recursos públicos federais destinados à aquisição de medicamentos pela Prefeitura de Cabedelo/PB.

A operação conta com a participação de 50 policiais federais, dando cumprimento a oito mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e nas empresas contratadas pela Prefeitura de Cabedelo/PB, para fornecimento dos medicamentos.

CRIMES INVESTIGADOS: Os investigados poderão responder pelos crimes de formação de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e fraude licitatória, previstos, cujas penas, somadas, poderão chegar a mais de 30 anos de reclusão.

( da redação com informações do Twitter e assessoria. Edição: Genésio Araújo Jr)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *