PREVIDÊNCIA: Wellington Dias lamenta que acordo para inclusão dos servidores estaduais e municipais foi rompido

  • (Brasília-DF, 14/06/2019) O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), lamentou nesta quinta-feira, 13, em nota divulgada à imprensa que o rompimento do acordo para inclusão dos servidores estaduais e municipais na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06/19 foi muito ruim para o país.

    Segundo ele, a decisão de quem não cumpriu o acordo – o petista não quis nominar o responsável pela falta de palavra em assumir um acordo costurado um dia antes na reunião do fórum dos governadores – demonstra que faltou “responsabilidade para com o Brasil”. Ele desejou sorte aos articuladores que tentam aprovar o texto do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) e frisou que mesmo sendo da oposição tentou assumir desgastes políticos para encontrar um relatório consensual que produzisse uma matéria acima das cores partidárias.

    “Sobre retirada dos Estados e municípios da Proposta de Reforma da Previdência: esta semana ficará na minha memória com a terça-feira (11) do entendimento, [onde] no fórum dos governadores, com a posição de retirada de quatro pontos apresentados já no relatório do deputado Samuel, como [as alterações nas regras do] BPC [Benefício de Prestação Continuada], [da aposentadoria dos trabalhadores] rurais, [do regime de] capitalização e [na] desconstitucionalização, governadores das 27 unidades da federação assumiram o compromisso de sentar à mesa para o entendimento de um texto capaz de conquistar mais de 308 votos e com compromisso de equilíbrio na previdência”, iniciou Wellington Dias.

    “Alguém pensa que é fácil? Especialmente para quem é do campo da oposição foi um gesto de grandeza pelo Brasil. E lembrarei da quarta-feira (12) do estrago, o dia seguinte em que fomos pegos de surpresa com o anúncio pela imprensa que os estados e municípios estavam de fora da reforma da Previdência. Em bom português: rompido o acordo. Certamente agora, parte dos governadores sairão da posição de defesa de um texto que poderia sair do entendimento para opositores. Deixou de ser a grande proposta da previdência para União, estados e municípios, do setor público e privado, para a reforma [apenas] da União”, complementou.

    “Espero que quem teve esta bela ideia garanta mesmo os 308 votos ou mais prometidos. Mas faltou responsabilidade com o Brasil. Da terça para quinta saiu de grande para pequeno. Sabendo do desgaste que ganharia, com posição assumida, eu posso dizer que fiz a minha parte, como outros líderes. Sei que dificilmente membros da base do atual governo, quando da oposição jamais assumiriam a posição que governadores do nosso campo político assumimos. Bênçãos de Deus para o Brasil”, emendou o governador piauiense do Piauí.

    (por Humberto Azevedo, especial para Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *