Em reunião com Bolsonaro, governador leva proposta para geração de empregos

O governador Wellington Dias (PT) se reunirá amanhã (14) com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) em Brasília. No encontro, Wellington afirma que vai levar reivindicações em áreas como infraestrutura, saúde e segurança. O encontro ocorrerá antes da reunião dos governadores do Nordeste marcada para o dia 21.

Com o PT na oposição, Wellington busca uma aproximação com o presidente eleito. O Piauí é o estado que deu a menor votação para Bolsonaro no país.

Wellington apresentará proposta para geração de empregos. “É uma agenda em que estarei representando a posição da região Nordeste. Dos meus colegas governadores, alguns estão no exterior e em outros compromissos. Está confirmada para o próximo dia 21 em Brasília, uma agenda dos governadores do Nordeste, mas como teve essa agenda ante pauta e recebemos o convite, o objetivo é levar uma posição que já está nas últimas cartas dos governadores do Nordeste , um fórum que já criamos há alguns anos. Tratamos de temas que não tiveram solução é que foram tratados nos governos passados. Queremos uma política para geração de emprego. É o principal problema do pais. Apresentamos alternativas como no controle fiscal, um espaço de investimentos que permita o pais investir em um conjunto de obras que estão prontas para andar. Elas geram empregos, mas ao mesmo tempo uma política industrial focada no potencial de cada região. Investir em obras estruturantes como Transnordestina e transposição do rio São Francisco”, destacou.

O governador também levará pedidos com relação à descentralização de saúde. “Na saúde o programa Mais Especialidades deve ter continuidade. É um programa que começou e com a descentralização da saúde vai levar mais saúde. Na segurança cuidar das fronteiras para não entrar armas e drogas. Um programa Nacional e fundo Nacional de segurança”, afirmou.

Depois do encontro com Bolsonaro, Wellington terá um encontro com Ricardo Lewandowski. O assunto será a liberação de recursos para o Estados.

“A retenção de recursos dos Estados é ilegal. No momento em que a economia cresce lento com reflexo na arrecadação. A União faz retenção por meio da desvinculação da DRU – desvinculação de Recursos da União que era para ser aplicada apenas sobre as receitas da União tem sido aplicada nas receitas dos estado e municípios. É o confisco do dinheiro dos Estados e municípios. Receitas dos Estados e municípios ficam com a União e pagam créditos da União. Já soma 30 bilhões. O Piauí deixa de receber R $ 1 bilhão”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *