População denuncia superlotação e demora do transporte público em Teresina

Segundo informações do Diretor da STRANS, Francisco Carlos Nogueira de Costa, a proposta para o transporte coletivo é que toda a cidade participe do sistema Inthegra, que foi a causa para a redução da frota de ônibus. A retirada faz parte de um projeto de mobilidade urbana que está previsto na lei federal.

Apesar das explicações dadas sobre a retirada de veículos, as reclamações sobre os coletivos tomou grande proporção, fato que obrigou o Ministério Público a organizar uma audiência pública para discutir a qualidade do transporte. Estudantes da Universidade Federal do Piauí, uma das classes mais atingida por essas mudanças, manifestaram descontentamento com a atual situação.

“Mesmo com a frota de ônibus em pleno funcionamento (sem redução da sua frota) os ônibus que passam pela UFPI são lotados e caso algum usuário perca este ônibus, terá que esperar bastante tempo para que o próximo ônibus chegue. ”, afirma José Vinicius, estudante de engenharia mecânica

Outra pontuação, é a demora dos ônibus nos terminais. Usuários falam que antes da integração a espera por um ônibus e seu translado era menor, e agora com os terminais nos bairros tem sido mais difícil chegar ao local de destino.

“O sistema tem potencial para funcionar, mas não estão sabendo utilizar, antes eu demorava cerca de uma hora e meia para chegar na UFPI, após a integração, tenho passado duas horas e meia para chegar na Universidade. ’’, afirma Caio Henrique, estudante de Letras- Inglês que mora na saída da cidade.

O que se pode afirmar é que até que o plano de integração proposto pela Prefeitura e pela Strans seja concluído a população ainda enfrentará a superlotação e a demora do transpo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *