Proibição ao uso de véu leva a protesto contra discriminação

Alaa (L), 21, Amina (C), 24, and Nayab, 18, sit on a dock during a visit to Karlstrup Kalkgrav, a lake near Karlstrup located outside Copenhagen, Denmark, July 19, 2018.  REUTERS/Andrew Kelly    SEARCH "DENMARK VEIL" FOR THIS STORY. SEARCH "WIDER IMAGE" FOR ALL STORIES. TPX IMAGES OF THE DAY. THE IMAGES SHOULD ONLY BE USED TOGETHER WITH THE STORY - NO STAND-ALONE USES

A partir de hoje (1º), entra em vigor na Dinamarca a proibição para as mulheres muçulmanas deixarem de usar o nicabe e a burca, vestimentas islâmicas que cobrem o rosto. Determinação que poderá se estender para o hijab (o véu que cobre apenas o cabelo e o pescoço). A legislação dinamarquesa segue exemplo do que ocorre na França, Bélgica, Bulgária, Letônia, Áustria e regiões da Suíça, Itália e Alemanha.

A multa pela desobediência pode chegar a mil euros. Porém, as muçulmanas da Dinamarca resolveram enfrentar a lei e protestar. Convocaram para esta quarta-feira uma manifestação pacífica em favor da liberdade religiosa e do direito de usar os trajes do Islã.

Para Francirosy Campos Barbosa, antropóloga e especialista em estudos do Islã, professora do departamento de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, há um processo de alijamento dos muçulmanos, acentuando a islamofobia e o banimento dos seguidores do Islã.

“Eu me pergunto quantas são as mulheres muçulmanas que usam nicabe e burca na Dinamarca? Ainda não encontrei esses dados”, reagiu. “É uma lei totalmente arbitrária e que atinge diretamente as mulheres, pois muitas usam o véu desde os 10, 12 anos. Adultas, sem o uso do nicabe [cobertura da cabeça aos pés, incluindo o rosto], não se sentem à vontade.”

A lei aprovada pelo Parlamento da Dinamarca pretende garantir que mulheres adultas ou jovens não sejam obrigadas a cobrir os rostos. Os defensores da proposta afirmam que a proibição assegura a integração dos imigrantes que pleiteiam asilo à sociedade dinamarquesa.

Discriminação

Estudiosa do tema, a professora Francirosy Barbosa alerta que uma legislação que veta o direito à cultura religiosa para encobrir preconceitos tem um objetivo: o da exclusão. “O sentido é deixar os muçulmanos cada vez mais coagidos para provar que eles não são ‘daquele lugar’. É um disparate.”

O protesto organizado pelo grupo Kvinder I Dialog (Mulheres em Diálogo), na Dinamarca, pode servir como advertência sobre o respeito e a preservação dos direitos das mulheres como um todo, segundo a especialista.

“Temos muito o que avançar quando se trata de direitos das mulheres, mas isso não é a particularidade de uma cultura ou religião, isto tem que ser uma mudança mundial, mas que deve partir, sobretudo, das mulheres”, disse. “Nossa luta é para que cada uma encontre sua maneira de ser respeitada dentro do seu universo, dentro da sua religião, respeitando a sua identidade, a noção de pessoa e não necessariamente tem que ser moldada pelas ou pelos ocidentais.”

Por Renata Giraldi – Repórter da Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *